sexta-feira, 23 de março de 2012

Meu milésimo post no blog

''Recebo muitos emails e mensagens de gente querendo saber como se comportar com seu parente, namorado(a), marido/esposa, amigo(a) que é bipolar.
Eu digo que depende da fase que ele está.
Tem episódios que o bipolar está tão desequilibrado (digo desequilibrado em termos de química cerebral) que ele mesmo não tem consciência de como está se comportando. A pessoa que convive com ele deve saber reconhecer essa fase e entender que em certas atitudes é a doença falando. O que eu percebo é que muita gente abandona o bipolar justamente na hora em que ele mais precisa de ajuda e na hora em que ele não está senhor do que está fazendo. Então, a dúvida que se coloca é: quando é a doença falando e quando é a pessoa? A grande questão para quem convive com um bipolar é se você está disposto a conviver com alguém com uma doença crônica que pode descompensar de vez em quando.
Um tempo atrás soube de um caso de uma paciente cuja amiga falou: eu não te procurei mais porque você estava chata. No que a paciente respondeu: eu estava chata porque estava doente e era nessa hora que você deveria ter reconhecido que eu não estava bem e me ajudado.
Enfim, tem gente que só consegue se relacionar superficialmente com outras pessoas, apenas quando elas estão bem de saúde. Você deve saber seu limite e ver até que ponto quer se envolver com alguém doente.''



3 comentários:

Dra. Analba disse...

Parabéns pelo seu milésimo Post!
É certo que eu ão li os 1.000, mas depois que eu te conheci li bastante publicações suas até algumas mais antigas.

Referente ao seu Post.
Isso acontece o tempo todo com todos. Já aconteceu comigo também. Temos que ficar atentos e ter sensibilidade para não poder generalizar como "superficialidade" do outro, pois em alguns momentos a pessoa pode não estar preparada para lhe dar com certas situações.
De quatro uma.
Medo, insegurança,
Covardia ou a própria superficialidade.

Nathalia Lambert disse...

Pois é, se nem em casamento, que há a jura de ''na saúde e na doença'' isso se cumpre, pq existiria em algo besta como... amizade?

Adalba disse...

ESSA COMPARAÇÃO NÃO VALE.
EXISTE MAIS FIDELIDADE EM AMIZADE DO QUE EM CASAMENTOS.
Vc casa, seu amigo é seu padrinho.
Vc tem filho, seu amigo esta presente e seu marido no buteco.
Vc toma um chifre, seu amigo chora com vc.
vc toma outro chifre, seu amigo sai para a balada contigo para fazer vc dar o troco.
vc fica puta e pede divórcio. seu amigo fica do seu lado e acha ele um canalha.
vc entra em depre, seu amigo tenta ser um xanax...
vc fica velha, seu amigo tbm fica e vcs continuam sendo amigos.
seu filho arranja uma esposa piranha, seu amigo fala mal dela junto com vc.
vc... seu amigo......