quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Brad Renfro

Eu sou meio obcecada com o Brad Renfro. Começou em 2005, quando assisti Bully por acaso, gravei a reprise em VHS e fiz todos os meus amigos assistirem. Na época, não existiam tantas redes sociais, mas achei uma comunidade do Yahoo sobre Marty Puccio e ficava lendo sobre os updates do caso.

Enfim, é engraçado como a morte de alguém que a gente nunca conheceu pesoalmente é capaz de nos afetar. Eu fico com aquela sensação da garganta fechando quando vejo coisas como este vídeo abaixo.


terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Persons with ideas of reference may experience:

  • Believing that 'somehow everyone on a passing city bus is talking about them, yet they may be able to acknowledge this is unlikely'.[16]
  • A feeling that people on television or radio are talking about or talking directly to them
  • Believing that headlines or stories in newspapers are written especially for them
  • Believing that events (even world events) have been deliberately contrived for them, or have special personal significance for them
  • Believing that the lyrics of a song are specifically about them
  • Seeing objects or events as being set up deliberately to convey a special or particular meaning to themselves
  • Thinking 'that the slightest careless movement on the part of another person had great personal meaning...increased significance'.[17]

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Boo!

As pessoas têm medo de mim. Literalmente... medo.

Tem um cara aqui no prédio da minha irmã, que me vê e sai correndo, nem disfarça. As vezes que não deu tempo de fugir, ele nem conseguia responder o "boa tarde" de volta. Pensei que pudesse ser falta de educação, mas um dia, ele conseguiu cuspir. E não, ele não é assim com todos, é comigo.

Eu estudei na ETEC e sai depois de 3 meses. Tempo suficiente para parte de cuzões da sala chegarem em uma de minha amigas e admitirem para ela (agora em segurança, pois eu não estava mais por perto) o que eu já havia percebido: eles tinham medo de mim. Já escrevi sobre isso na época. Do carinha que gaguejou porque fez contato visual falando comigo. Meus olhos devem ser vermelho.

Na faculdade isso também rolou. Menos, mas rolou. Teve um cara em específico, que me olhava como se eu estivesse segurando uma faca e tivesse 666 escrito na testa. Eu juro.

Se isso se repete tanto, eu poderia cair na besteira de achar que a culpa está em mim. Podia ficar me questionando os motivos e até inventar alguns inexistentes para justificar o porquê. Paranóia. Mas eu honestamente não pretendo mudar... NADA.

Explico...

Se não me conhecem, mas tem o pré-conceito de que eu sou de tal forma...  Agressiva, patty, grossa, idiota, arrogante.... já ouvi de tudo. Não importa. Os errados (e patéticos) são eles.

A pergunta que me fiz e que deixo no ar é: por que eu mudaria meu jeito de ser por pessoas assim?    Inseguras e preconceituosas? Não é esse tipo de gente que serviria de motivação para eu alterar nada em mim.

Apenas, depois de tantos anos, me fizeram adaptar a lamentável idéia: (CERTAS) pessoas tem medo de mim. 

Ok.

Problema delas. 

The Walking Dead... é tudo um sonho do Rick em coma?

NÃÃÃÃÃÃO. Odeio essa teoria. Parei de assistir Lost na 2ª temporada e um tempo depois vi a ira dos fãs que assistiram até o final, pela forma sem graça que acabou. Espero que isso não role com TWD! 



Btw... adorei este cara, a parte do achocolatado... LOL

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Vamos falar de coisa boa?

Prévia do vídeo que comentei. O mais engraçado que eu filmei SUMIU da câmera e nem com Recuva consegui recuperar. Sobrou apenas um, que tirei esse pedaço pra por aqui... por enquanto


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

É rôla, é rôla, no... seu... koo! Gle \o/ Gle \o/

Hoje é aniversário da minha amiga Glê. Em alguns anos de amizade, nós já temos histórias o suficiente para contar a umas 3 gerações de netos... bisnetos e eu não sei o que vem depois disso. Tataraneto?

Não vou dizer aqui que ela é uma garota egocêntrica, possessiva e controladora,  por que isso seria...  redundante como dizer que ela é linda,  tem unhas de dar inveja (a qualquer atriz pornô) e lindos cabelos naturalmente lisos. 



Talvez o que não seja tão óbvio sobre ela para quem a não conhece, é o quanto ela é uma pessoa forte, responsável, determinada, inteligente, engraçada e (...não resisti) louca-da-xana.

Na aparência, é uma mistura de Patrícia Poeta, com Isis Valverde e Mônica Gusmões. Na personalidade, são três H's: um quê de Hitler (ditadora), uma pitada de Hulk (nervosinha), e uma grande dose Hebe (gracinhaaaaaaaaa).

 
campanhacontraasdrogas.jpg



Foi com ela que fiz a viagem que mudou minha vida eternamente... a viagem ao inferno, digo, a Itanhaém (fotos épicas acima). Também com ela que fui ao CDM, a  MTV, ao VMB, ao CQC, a PQP. 

Ainda há muito por vir e muitos lugares para a gente ir. Tipo a cadeia.

Espero que tenha um ótimo aniversário, ganhe muito chocolate e tenha um ano inesquecível! E já que parei de falar de você na terceira pessoa, saiba que te admiro e agradeço a paciência que você tem comigo às vezes (sempre).
Você é do tipo de aquariana que me relaciono bem: verdadeira e divertida. Feliz aniversário!!! Mimimi!

UPDATE

 Fotos de sábado passado (nota-se efeito gradativo do ácool) . Em breve, um vídeo épico.









"Gente, esse tal de Esquadrão da Moda tá dizendo que não é OK se vestir como piriguete!"

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

sábado, 2 de fevereiro de 2013

"O que é solitude, o que é solidão..."



HOW TO BE ALONE by Tanya Davis

If you are at first lonely, be patient. If you've not been alone much, or if when you were, you weren't okay with it, then just wait. You'll find it's fine to be alone once you're embracing it.

We could start with the acceptable places, the bathroom, the coffee shop, the library. Where you can stall and read the paper, where you can get your caffeine fix and sit and stay there. Where you can browse the stacks and smell the books. You're not supposed to talk much anyway so it's safe there.

There's also the gym. If you're shy you could hang out with yourself in mirrors, you could put headphones in (guitar stroke).

And there's public transportation, because we all gotta go places.

And there's prayer and meditation. No one will think less if you're hanging with your breath seeking peace and salvation.

Start simple. Things you may have previously (electric guitar plucking) based on your avoid being alone principals.

The lunch counter. Where you will be surrounded by chow-downers. Employees who only have an hour and their spouses work across town and so they -- like you -- will be alone.

Resist the urge to hang out with your cell phone.

When you are comfortable with eat lunch and run, take yourself out for dinner. A restaurant with linen and silverware. You're no less intriguing a person when you're eating solo dessert to cleaning the whipped cream from the dish with your finger. In fact some people at full tables will wish they were where you were.

Go to the movies. Where it is dark and soothing. Alone in your seat amidst a fleeting community.
And then, take yourself out dancing to a club where no one knows you. Stand on the outside of the floor till the lights convince you more and more and the music shows you. Dance like no one's watching...because, they're probably not. And, if they are, assume it is with best of human intentions. The way bodies move genuinely to beats is, after all, gorgeous and affecting. Dance until you're sweating, and beads of perspiration remind you of life's best things, down your back like a brook of blessings.

Go to the woods alone, and the trees and squirrels will watch for you.
Go to an unfamiliar city, roam the streets, there're always statues to talk to and benches made for sitting give strangers a shared existence if only for a minute and these moments can be so uplifting and the conversations you get in by sitting alone on benches might've never happened had you not been there by yourself

Society is afraid of alonedom, like lonely hearts are wasting away in basements, like people must have problems if, after a while, nobody is dating them. but lonely is a freedom that breaths easy and weightless and lonely is healing if you make it.

You could stand, swathed by groups and mobs or hold hands with your partner, look both further and farther for the endless quest for company. But no one's in your head and by the time you translate your thoughts, some essence of them may be lost or perhaps it is just kept.

Perhaps in the interest of loving oneself, perhaps all those sappy slogans from preschool over to high school's groaning were tokens for holding the lonely at bay. Cuz if you're happy in your head than solitude is blessed and alone is okay.

It's okay if no one believes like you. All experience is unique, no one has the same synapses, can't think like you, for this be releived, keeps things interesting lifes magic things in reach.

And it doesn't mean you're not connected, that communitie's not present, just take the perspective you get from being one person in one head and feel the effects of it. take silence and respect it. if you have an art that needs a practice, stop neglecting it. if your family doesn't get you, or religious sect is not meant for you, don't obsess about it.

you could be in an instant surrounded if you needed it
If your heart is bleeding make the best of it
There is heat in freezing, be a testament.